Estrela com cauda de cometa…

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Uma estrela distante voa através do espaço e tem uma colossal cauda que deixa rastro pelo seu caminho, como um cometa, dizem os astrônomos.

O anexo, que mede gigantescos 13 anos-luz de comprimento, foi visto pelo telescópio espacial da Nasa Galaxy Evolution Explorer (Galex), pela primeira vez.

“Depois de 400 anos de estudo, Mira continua a surpreender.”

Os pesquisadores afirmam que nada do gênero já foi visto ao redor de uma estrela.

Eles acreditam que a estrela, conhecida como Mira, irá ajudá-los a estudar o que ocorre quando as estrelas chegam ao seu momento final.

Mark Seibert, co-autor do estudo que está publicado na revista Nature juntamente com um cientista do Carnegie Observatories em Pasadena (EUA) disseram: “Esse é um fenômeno completamente novo para nós e ainda estamos no processo de compreender a fí­sica envolvida.”

Correndo pelo espaço

Mira (também conhecida como Mira A) cativa os astrônomos há mais de 400 anos.

Ela está aproximadamente 350 anos-luz da Terra em uma constelação conhecida como Cetus e é acompanhada em órbita por uma estrela menor, chamada de Mira B, formando um sistema binário.

Bilhões de anos atrás, Mira era muito parecida com o nosso Sol, mas agora que está em seus últimos momentos inchou e tornou-se um tipo de estrela chamada de gigante vermelha.

Enquanto ela percorre o espaço a meros 130km/h ela libera grandes quantidades de matéria.

Mesmo depois de séculos de estudo a sua espetacular cauda havia permanecido invisí­vel.

Agora, imagens ultravioletas feitas pelo telescópio espacial Galex descobriram esta caracterí­stica í­mpar de Mira.

Barry Madore, outro co-autor do estudo e pesquisador-astrônomo sênior no Carnegie Observatories disse: “O Galex é tão sensí­vel í  luz ultravioleta e tem um campo tão amplo de visão que possui um equilí­brio único para captar nos céus fenômenos ainda não descobertos de atividade ultravioleta. O fato de que a cauda de Mira brilha apenas com luz ultravioleta explica porque outros telescópios não a viram.”

As imagens ultravioleta também revelaram um “arco de choque”: uma região, na parte frontal da estrela, onde o ar aquecido se acumula í  medida que o vento solar de Mira encontra nuvens de gás e pó interestrelar.

A equipe acredita que o gás aquecido no arco de choque está aquecendo o gás que a estrela está liberando criando um rastro turbulento por onde passa.

Os cientistas disseram que a cauda foi criada com material que Mira esteve ejetando nos últimos 30 mil anos.

Mark Seibert disse: “Esperamos poder ler a cauda de Mira como uma fita telegráfica para aprendermos sobre a vida da estrela.”

O estudo do carbono, oxigênio e outros elementos da cauda, disse a equipe, pode também dar uma idéia de como novos sistemas solares e possivelmente a própria vida se formam.

“Depois de 400 anos de estudo, Mira continua a surpreender”, concluiu a equipe. [BBC News]

MigX

Engenheiro, funcionário público, metido a escritor e ilustrador... Publicou na Quark, Scarium e e-nigma. Membro fundador da Oficina de Escritores, vem tentando sua própria jornada do herói na vida, e a viagem do escritor, nos blogs e na OE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Seja bem vinda, bem vindo!

Assine nossa lista  e, além de receber nossa newsletter com as novidades do site,
Ganhe 2 E-books Grátis:

Escreva Seu Livro
  • Escreva Seu Livro, o passo a passo para começar hoje mesmo!
  • 28 Mapas Mentais com as regras de ortografia e gramática, que todo estudante deveria saber!

Sucesso na inscrição!

Ocorrou um erro ao tentar encaminhar seu pedido. Por favor, tente novamente.

A Arca.com will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.