Aquecimento global é uma fantasia

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Estadão
Nos últimos meses, os alarmes em virtude das conseqí¼ências do aquecimento global foram disparados com previsões de desastres naturais, perdas de colheitas e crise de fome em todo o mundo. Desde o sombrio documentário do ex-vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore, “Uma Verdade Inconveniente”, ganhador de dois Oscar este ano, até uma série de estudos e observações, todos concordam que o aquecimento é causado pelos gases de efeito estufa, principalmente o dióxido de carbono, que contaminam a atmosfera.

No entanto, segundo o pesquisador Bjarne Andresen, “todo o debate sobre o aquecimento global é uma fantasia”. Segundo ele, o método utilizado para determinar o aquecimento global e suas conseqí¼ências “é mais polí­tico do que cientí­fico”.

Em artigo publicado na revista “Journal of Non-Equilibrium Thermodynamics”, Andresen — do Instituto Niels Bohr, da Universidade de Copenhague — afirma que o conceito de “temperatura global” é uma impossibilidade termodinãmica e matemática.

O cientista refere-se aos estudos que afirmam que, como conseqí¼ência do aumento das temperaturas, o planeta sofrerá perdas de massas de gelo polar, aumento dos ní­veis dos oceanos, aumento das chuvas em algumas regiões e secas
em outras, além do aumento da intensidade de furacões e tufões.

O último deles, publicado pela revista “Environmental Research Letters”, afirmou esta semana que o aquecimento global provocou uma perda na colheita de produtos essenciais para a dieta dos seres humanos em todo o planeta.

Segundo pesquisadores do Instituto Carnegie e do Laboratório Nacional Lawrence Livermore, entre 1981 e 2002, o aquecimento diminuiu a produção de trigo, milho e cevada em cerca de 40 bilhões de toneladas ao ano.

Segundo os cientistas, este estudo mostra que a redução é originada no aquecimento causado pela atividade humana no planeta e que seus efeitos são imediatos. “A maior parte das pessoas acha que a mudança climática é algo que terá um impacto futuro”, afirmou Christopher Field, um dos autores do estudo e diretor do Departamento de Ecologia Global do Instituto Carnegie.

“Este estudo constata que o aquecimento registrado nas últimas duas décadas já tem conseqí¼ências reais na produção mundial de alimentos”, acrescentou. Além disso, a Administração Nacional Oceãnica e Atmosférica (NOAA) dos EUA revelou que este inverno no hemisfério norte foi o mais quente desde 1880, mas não relacionou o fato aos gases de efeito estufa.

O órgão do Governo dos EUA divulgou em seu site que, no perí­odo de dezembro a fevereiro, as temperaturas foram 1,3 grau mais altas que a média do século XX. A NOOA também afirmou que, durante o último século, as temperaturas na superfí­cie do planeta aumentaram em média 0,06 grau por década.

O aumento foi três vezes maior a partir de 1976, chegando a 0,18 grau centí­grados por década. As maiores altas foram registradas no hemisfério norte. No entanto, segundo
Andresen e os cientistas Christopher Essex, da Universidade de Western Ontário, e Ross McKitrick, da Universidade de Guelph, também em Ontário (Canadá), “é impossí­vel falar em uma única temperatura em algo tão complexo quanto o clima da Terra”.

Andresen afirma que a temperatura só pode ser definida em um sistema homogêneo, e o clima não
pode ser determinado por apenas uma temperatura. “São as diferenças de temperaturas que impulsionam o processo e criam as tempestades, correntes marinhas, trovões, que são as que constituem o clima”, afirma.

“Não faz nenhum sentido falar em uma temperatura global para a Terra”, porque existem elementos em todo o planeta que, segundo o especialista, não podem simplesmente ser somados e divididos. Segundo os cientistas, existem duas formas de calcular as médias, a aritmética e a geométrica. Ambos dão resultados diferentes e ambos estão corretos.

í‰ necessário um motivo forte para escolher um em demérito do outro e, “por isso, as previsões sobre desastre podem ser uma conseqí¼ência do método usado”, acrescentam Andresen e seus colegas. Para eles, são necessários argumentos fí­sicos para decidir pelo uso de um método de análise do estado da Terra, e “não a tradição”.

MigX

Engenheiro, funcionário público, metido a escritor e ilustrador... Publicou na Quark, Scarium e e-nigma. Membro fundador da Oficina de Escritores, vem tentando sua própria jornada do herói na vida, e a viagem do escritor, nos blogs e na OE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Seja bem vinda, bem vindo!

Assine nossa lista  e, além de receber nossa newsletter com as novidades do site,
Ganhe 2 E-books Grátis:

Escreva Seu Livro
  • Escreva Seu Livro, o passo a passo para começar hoje mesmo!
  • 28 Mapas Mentais com as regras de ortografia e gramática, que todo estudante deveria saber!

Sucesso na inscrição!

Ocorrou um erro ao tentar encaminhar seu pedido. Por favor, tente novamente.

A Arca.com will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.