Vértigo – tradução

Vértigo.

Mais uma tradução livre, de uma música de Ismael Serrano. O olhar do “cantautor” espanhol. Sempre original.

Disco: Atrapados en azul.
Estreno: febrero de 1996
Letra: Ismael Serrano
Música: Ismael Serrano

Veja o clip: http://www.youtube.com/watch?v=SdE5F6UlpAM

Receberei postais do estrangeiro,
doces e amargos, beijos, recordações.
Como estão todos? Sinto saudades.
Como passa o tempo…
Seremos outros, seremos mais velhos
e quando por fim me observe em teu espelho,
espero ao menos que me reconheças,
recorde um pouco o que sou agora.
Aquelas mão, aquela mulher,
aquele inverno não parava de chover,
perdoa que chegue tão tarde,
espero saber compensar-te.
Estás tão bonita, te convido a um café,
a tarde é nossa, despe-me.
Trás o relâmpago te dizia: “Sempre
recolherei flores em teu ventre”.
Outro homem dormirá contigo
e dará nome a todos os teus filhos.
Vem, chegue perto de mim,
deixe que te veja,
que outras primaveras
te ao de levar muito longe de mim.
Vertigem, que o mundo pare,
que curta se me faz a viagem.
Me escutarás, me buscarás,
quando me perca
e não mostre o norte
a estrela polar?
As frias manhas na faculdade,
tu quase sempre fugias comigo ao bar,
e me chateavas se preferias
a aula à minha companhia.
Sobre a mesa garrafas vazias,
que bom é te fazer rir,
e agora mudemos o mundo, amiga,
que você já mudou o meu.
Que farei quando te busque na classe,
e meu eco me responda ao te chamar?
Outros virão e me dirão
que você foi embora,
que cansou
já de esperar.
Vertigem, que o mundo pare,
que curta se me faz a viagem.
Me escutarás, me buscarás,
quando me perca
e não mostre o norte
a estrela polar?
E na ronqueira, os traiçoeiros nervos,
que me atacam antes de cada show,
velhas canções, antigos versos,
que espero retenham algum eco.
E no futuro espero, companheiro, irmãos.
ser um bom cara, não atraiçoá-los.
Que a vertigem passe e a nossas janelas
lusca o sol cada manha.
Mas basta de lamentos,
brindemos, é o momento,
que estamos todos
e não falta quase ninguém,
que temos que apressar
a noite que acaba de começar.
Vertigem, que o mundo pare,
que curta se me faz a viagem.
Me escutarás, me buscarás,
quando me perca
e não mostre o norte
a estrela polar?

Veja também:

Compartilhe:

MigX

Engenheiro, funcionário público, metido a escritor e ilustrador... Publicou na Quark, Scarium e e-nigma. Membro fundador da Oficina de Escritores, vem tentando sua própria jornada do herói na vida, e a viagem do escritor, nos blogs e na OE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *