Armando-se para a batalha verbal e partindo para o ataque

tecnicas-avancadas-para-revelar-a-verdade-os-truques-dos-profissionaisEste artigo é baseado nas técnicas constantes do post: Torne-se um detector de mentiras humano.

Chegou a hora de usarmos um sofisticado e abrangente sistema de questionamentos que fará com que qualquer pessoa fale a verdade em apenas alguns minutos em qualquer conversa ou situação. Vou lhe armar com as melhores munições possíveis para que você vença rapidamente a batalha verbal e chegue até a verdade. Os resultados serão verdadeiramente surpreendentes.

Importante: Não esqueça de observar as respostas não-verbais (inconscientes) – os sinais que você acabou de aprender – após a sua pergunta.
Não acuse – Insinue: O objetivo é fazer uma pergunta que não represente nenhuma acusação, mas que insinue o possível comportamento da pessoa. Exemplo de uso:

Suspeita: Você acha que seu (a) namorado (a) foi infiel na noite passada.
Pergunta incorreta: “Você andou me traindo?”
Pergunta correta: “Aconteceu alguma coisa diferente na noite passada?”
Observe sua expressão corporal e alguma possível pista de preocupação e nervosismo com sua pergunta.
Qualquer resposta do tipo: “Porque perguntou isso?” ou “Alguém te falou alguma coisa?”, seguidas de um certo nervosismo, indicam forte preocupação por parte da pessoa. Ela não estaria preocupada em saber porque você está fazendo tal pergunta, a menos que pense que você pode estar sabendo o que ela não quer que você saiba.

Situação semelhante:Aqui você vai apresentar uma situação semelhante à que suspeita que esteja acontecendo. O bom é que vai poder falar sobre o assunto sem parecer acusatório. Exemplo de uso:

Suspeita: Você acha que seu (a) namorado (a) está lhe traindo.
Pergunta incorreta: “Você está me traindo com Fulana (o) de Tal?”
Pergunta correta: “Sabe, minha (meu) amiga (o) Fulana (o) de Tal me disse que está muito desconfiada (o) do (a) seu (sua) namorado (a). Ela (e) tem quase certeza que ele (a) está cometendo uma traição. Ele (a) fica muito estranho (a) e nervoso (a) quando ela (e) fala sobre histórias de traição. O que você acha disso?” Se a pessoa for culpada, ficará preocupada, constrangida ou embaraçada e vai querer rapidamente mudar de assunto. Porém, se a pessoa achar que sua pergunta é interessante e ela for inocente, poderá iniciar uma conversa a respeito da pergunta. Esta é uma forte indicação de inocência, porque ela não tem receio de discutir o tema e não está investigando por quê você faz a pergunta.
Não é surpreendente?: Como no exemplo acima, aqui você vai abordar o assunto, mas de uma forma geral. Nos permitirá uma grande percepção de culpa ou inocência da pessoa. Exemplo de uso:

Suspeita: Você desconfia que seu (sua) noivo (a) está saindo com outra (o)
Pergunta incorreta: “Você está saindo com outra (o)?”
Pergunta correta: “Olha que absurdo… Hoje minha (meu) amiga (o) Fulana (o) de Tal me contou que pegou seu (a) noivo (a) com outra (o). Não é impressionante como alguém consegue ser infiel e não ter receio de ser desmascarado?” Quaisquer respostas que demonstrem reações de embaraço, nervosismo ou constrangimento, seguidas de perguntas como: “Por que está me perguntado isso?”, além de tentativas de mudança de assunto, demonstram grande carga de preocupação e culpa.

Atacando o ego da pessoa. Aqui vamos usar o ego da pessoa contra ela própria. Vamos dizer a ela que jamais seria capaz de confessar, pois está sendo ‘pressionada’ por outra pessoa à não dizer a verdade e que essa pessoa manda nela. Esta técnica é muito usada por policiais. Exemplo de uso:

Suspeita: Você tem quase certeza que Fulano (a) roubou sua empresa
Pergunta incorreta: “Vai confessar que roubou minha empresa, ou não?”
Pergunta correta: “Acho que já sei qual é o problema: Você não me diz a verdade porque alguém manda em você. Você não tem o poder para decidir isso. Tem outra pessoa por trás disso e você não quer ‘ficar mal’ com ela, não é?” O mais incrível é que geralmente as pessoas acabam confessando e se sentindo orgulhosas de ter feito isso.
Indução: Aqui está uma poderosa técnica. Particularmente, já utilizei e obtive ótimos resultados. Elabore uma pergunta que restrinja sua resposta a algo que a pessoa pense ser positivo, de forma que ela não se importe em responder sinceramente. Exemplo de uso:

Suspeita: Alguém viu seu (a) namorado (a) numa festa na noite passada.
Pergunta incorreta: “Você andou fazendo festa escondido de mim?”
Pergunta correta: “Ontem, você chegou em casa após as 24h, não foi?” Se a pessoa tiver ficado em casa, ficará livre para responder, mas se tiver, realmente saído, mesmo assim se sentirá a vontade em responder sinceramente, porque você deu a entender que já sabia e não havia problemas. O fato de a pessoa ter voltado para casa de madrugada não está em questão. O importante é que você conseguiu a resposta à verdadeira pergunta.

Bumerangue psicológico: Com esta técnica, você diz à pessoa que ela fez algo bom, e não mau. Assim, ela ficará, completamente livre para lhe dizer toda a verdade. Exemplo de uso:

Suspeita: Você suspeita que fulano (a) está roubando sua empresa.
Pergunta incorreta: “Fulano (a), você anda me roubando?”
Pergunta correta: “Ei, Fulano (a)! Acho que podemos nos tornar sócios muito ricos! Parece que você, ultimamente, tem ‘passado à perna’ em mim, mas está tudo bem. Nós podemos trabalhar juntos, seu (sua) espertinho (a)! Me conte mais sobre suas incríveis técnicas… Quero aprender tudo!” Você quer aparentar que está contente por saber o que a pessoa está fazendo. Ela não terá saída e vai se abrir para você.

Outro exemplo: (Utilizado em entrevistas para emprego)
Suspeita: Você suspeita que o candidato à vaga oferecida mentiu sobre as informações em seu currículo.
Pergunta incorreta: “Fulano (a), você andou colocando informações falsas em seu currículo?”

Pergunta correta: “Fulano (a), nós dois sabemos que todo mundo inventa um pouco sobre seu currículo. Pessoalmente, acho que isso demonstra coragem, porque a pessoa não tem medo de assumir novas responsabilidades. Me diga, quais partes em que você foi mais criativo no seu currículo?”
Paranóia: Esta técnica de sugestão é muito poderosa e pode induzir a um estado temporário de paranóia na pessoa – principalmente se várias pessoas falarem a mesma coisa. Exemplo de uso:

Suspeita: Você suspeita que sua (seu) colega de trabalho está roubando o material de escritório da empresa
Pergunta incorreta: “Fulana (o), você anda roubando o material de escritório?”
Pergunta correta: “Fulana (o), acho que todo mundo já sabe sobre o material. Já reparou que, às vezes, eles ficam encarando você?” Se ela for mesmo culpada, vai se sentir encarada por todos e logo passará a aceitar a sugestão de que todos já estão sabendo do roubo. Você poderá verificar isso na sua expressão corporal de tensão e pavor, seguida de uma atitude de desconfiança diante das pessoas. Caso ela não seja culpada, não demonstrará nenhuma atitude e apenas vai achar que você está brincando com ela.

Veja também:

Compartilhe:

MigX

Engenheiro, funcionário público, metido a escritor e ilustrador... Publicou na Quark, Scarium e e-nigma. Membro fundador da Oficina de Escritores, vem tentando sua própria jornada do herói na vida, e a viagem do escritor, nos blogs e na OE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *