O ano de Lula e do Brasil

lula_obammaisEncerramos o ano com ele… vamos começar bem. Vamos começar com ele!

O professor (da Universidade de Harvard) Kenneth Maxwell – britânico de nascimento, radicado há muitos anos nos EUA – explicou na véspera do Natal, em sua coluna da Folha de S.Paulo, que “os brasileiros deveriam comemorar o fato de que tenham avançado tanto e de que um futuro promissor esteja ao seu alcance”. Para ele, “o Brasil encerra a década bem posicionado para o futuro”

Realmente pessoal, o Brasil não é mais o país do futuro.

Acabo de ver na TV um comercial, não sei de que, falando que o país do futuro se transformou no país do AGORA.

Estou muito feliz de estar testemunhando este período da história, de estar assistindo o nascimento de um personagem histórico que, podem me criticar agora, tenho certeza será maior que Getulio.

No exelente artigo: O ano do Brasil – e do presidente Lula, Argemiro Ferreira faz um relato histórico da evolução política do Brasil, passa pelo medo de Regina Duarte e chega aos dias atuais com 80% do eleitorado apoiando Lula e a força internacional de nosso presidente e de nosso país, representada pela posição assumida e respeitada por todos, pelo Brasil em Copenhague, pelo reconhecimento dado a Lula pelo El Pais considerando-o, o personagem do ano de 2009, entre “Los Cien del Año”, os 100 homens e mulheres iberoamericanos que marcaram os últimos 12 meses. O próprio presidente do governo espanhol, José Luiz Rodrigues Zapatero, fez o perfil do governante brasileiro, sob a manchete “El hombre que asombra el mundo”. Depois veio o Le Monde, com “O Homem do Ano”, antes Obama com “O Cara”, etc…

No mesmo artigo ele relata o seguinte sobre a foto que ilustra este post: relato do New York Times (AQUI) e do Washington Post (AQUI), retrataram o quadro insólito. Obama, que não tinha nem lugar na mesa, entrou sem ser convidado. Lá estavam Wen, Lula e os governantes indiano e sul-africano: “Vou sentar ao lado do meu amigo presidente Lula”, disse. Ali remendou num par de horas o acordo de três páginas que evitou o fracasso sem ir além de uma esperança vaga no futuro.

Realmente, coma já disse antes, a musica da Legião Urbana ficou ultrapassada. O Brasil não é mais o país do futuro. É do agora e nós estamos aqui presenciando este momento histórico. Estamos exatamente no ponto de inflexão.

Veja também:

Compartilhe:

MigX

Engenheiro, funcionário público, metido a escritor e ilustrador... Publicou na Quark, Scarium e e-nigma. Membro fundador da Oficina de Escritores, vem tentando sua própria jornada do herói na vida, e a viagem do escritor, nos blogs e na OE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *