Pré-sal – Força militar em movimento.

Vejam só.

Acho que esta é do Ultimo segundo, do iG.
Recebi por e-mail, de um grande amigo.

O Brasil, em algum momento, vai ter que tormar medidas (falo de gastar muito dinheiro), para fortalecer nossas forças armadas e garantir que todo esse petróleo seja nosso mesmo. Ou alguém imagina que os Yankee não conseguem arrumar uma desculpa para vir aqui e tomar tudo?

Infelizmente nossa marinha pode o quê contra eles?

Brasil busca mostrar força militar para defender pré-sal
Um exercí­cio militar que “bem poucos paí­ses” têm capacidade de fazer será iniciado em pouco menos de um mês na região das recentes descobertas petrolí­feras do pré-sal. Um dos principais objetivo, segundo um dos oficiais que coordena a operação, é mandar um claro sinal de que o Brasil está pronto para se defender.

Ao custo de R$ 20 milhões, a Operação Atlãntico será realizada entre os dias 12 e 26 do mês que vem nas regiões das bacias de Santos, do Espí­rito Santo e de Campos e simulará uma situação de confronto em que a infra-estrutura da indústria petrolí­fera do Paí­s será alvo de um inimigo fictí­cio.
“Isso não é uma despesa, isso é um investimento. í‰ como se fosse um seguro”, disse o almirante Edlander Santos, subchefe de operações do Comando de Operações Navais da Marinha, força que comandará o exercí­cio bélico.
“Normalmente todos fazem seguro do carro e não fazem seguro da casa. Esse é o seguro da casa”, acrescentou.
Serão mobilizados 9 mil militares, cerca de 20 navios, entre 40 e 50 aeronaves, submarinos, um “número expressivo” de lanchas e 250 viaturas militares, entre caminhões de transporte, blindados e carros de combate, mas a manobra não contará com porta-aviões.
O pré-sal é uma área que se estende por 800 km, do Espí­rito Santo a Santa Catarina, e pode conter bilhões de barris de óleo equivalente (boe). Somente no campo de Tupi, na bacia de Santos, a reserva estimada pela estatal é de entre 5 e 8 bilhões de boe.
Segundo o almirante Edlander, serão feitas diversas simulações durante a manobra militar.
“Nós teremos ataques a pontos centrais da infra-estrutura logí­stica localizados na área de Macaé (RJ) e de São Sebastião (SP). Teremos a defesa das três bacias petrolí­feras”, disse.
“Isso é um grande exercí­cio envolvendo as outras forças, não só no mar, mas também gasodutos, oleodutos, pontos estratégicos”.
Uma manobra como a Operação Atlãntico não é corriqueira, por conta de sua magnitude. No ano passado, lembrou o militar, foi realizado um exercí­cio de defesa do setor petrolí­fero, mas “ele se concentrou na área de Campos”.
“(A descoberta do pré-sal) foi uma feliz coincidência. Nós já tí­nhamos decidido ampliar o exercí­cio e veio a descoberta do pré-sal”, disse.
Recado interno
A Operação Atlãntico também servirá para que seja feita uma avaliação das necessidades das Forças Armadas para proteger a infra-estrutura petrolí­fera do Paí­s. No planejamento da manobra, segundo o alimirante, já foram detectadas algumas carências que precisam ser resolvidas.
“Nós precisamos incrementar a aquisição de navios-patrulha. Estamos construindo alguns poucos. Para você ter uma idéia, especificamente para a defesa das plataformas, nós precisamos de 27 novos navios-patrulha”, disse o almirante.
Atualmente, a Marinha trabalha na construção de duas dessas embarcações e já projetou a fabricação de outras cinco.
Segundo Edlander, a Marinha está em negociações com a Petrobras para uma parceria na qual a estatal colaboraria na aquisição dos equipamentos.
Recentemente, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, defendeu a liberação de recursos que são destinados í  Marinha, oriundos dos royalties do petróleo, mas que ficam contingenciados pelo governo federal. Já o comandante da Marinha, almirante Júlio Soares de Moura Neto, reconheceu a atual fragilidade naval militar do Paí­s.
Recado externo
Em meio í  reativação da Quarta Frota da Marinha dos EUA – que tem como uma de suas missões ajudar a combater o narcotráfico na América Latina e no Caribe -, Edlander procurou minimizar o fato e disse que o recado que o Brasil quer enviar com o exercí­cio não tem um destinatário especí­fico.
“O Brasil não possui um provável contestador, um provável inimigo”, disse. Mas para ele, é importante fazer uma sinalização porque ela evita o surgimento de “um desafiante”.
“Dentro da visão moderna de planejamento você emite um sinal í  comunidade internacional, emite um sinal a todos: estou pronto, estou preparado”.

Veja também:

Compartilhe:

MigX

Engenheiro, funcionário público, metido a escritor e ilustrador... Publicou na Quark, Scarium e e-nigma. Membro fundador da Oficina de Escritores, vem tentando sua própria jornada do herói na vida, e a viagem do escritor, nos blogs e na OE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *